Manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio


O sistema de alarme de incêndio do seu edifício foi instalado para proteger você e seu prédio. Todo mundo depende desse sistema funcionando corretamente em caso de um incêndio, agindo como um sistema de alerta antecipado e permitindo a evacuação segura e oportuna. Você tem a obrigação legal de garantir que este sistema de detecção está em boas condições de funcionamento e de acordo a normas regulamentares atuais, no caso a NBR17240.

Os problemas mais comuns encontrados durante inspeções e testes incluem equipamentos não-operacionais ou equipamentos que não funcionam como quando foram originalmente instalados, isto é, não estão de acordo com parâmetros originais ou regulados pela norma como nível sonoro das sirenes ou a sensibilidade do detector de fumaça ou térmico.

Outros problemas bem comuns incluem: sistemas que não tenham sido adequadamente mantidos, como não limpar os detectores em ambientes agressivos; modificações de sistema incluindo componentes que não são compatíveis e, como resultado, prejudicam o desempenho e a integridade do sistema; e por fim instalações de sistema e modificações ruins ou sem a qualidade técnica necessária.

A falta de conhecimento sobre o sistema, documentação inadequada e componentes e rotulagem circuito inapropriados podem também causar problemas durante os testes. Além disso, descargas acidentais de sistemas de supressão de fogo, tais como agentes limpos (FM200) e sprinklers (água), podem ocorrer se a empresa de serviços não tem conhecimento de funções específicas do sistema ou não seguir o protocolo de teste adequado.

A idade de um sistema de detecção e alarme contra incêndio pode também representar um problema durante os testes. Sistemas que tem mais de 15 anos podem ter atingido a sua vida útil. Durante testes os sistemas desta idade podem apresentar problemas que incluem placas que já não funcionam corretamente, componentes defeituosos exigindo a substituição, painéis e equipamentos mal conservados.

Resolver os problemas do sistema pode ser tão simples como a substituição de componentes defeituosos, reparar o cabeamento ou realizar a manutenção de rotina. Utilizando uma equipe experiente e certificada no sistema reduz significativamente problemas resultantes de instalações mal executadas. Dependendo da idade do sistema de e detecção e alarme contra incêndio, das modificações no sistema, e das condições das instalações, os gestores devem ser mais atenciosos à manutenção preventiva e corretiva do sistema.

Estas atividades de manutenção podem bem simples como a limpeza das câmaras de detecção de fumaça de um detector ou a substituição de dispositivos que estão danificados ou pararam de funcionar corretamente. A manutenção também pode ser tão importante como a substituição de painéis de alarme das centrais contra incêndios não-operacionais. É conveniente que somente empresas licenciadas nos sistemas e com pessoal técnico adequado realize estas manutenções.

Por fim, cabe lembrar que segundo a norma brasileira vigente, a NBR17240, detectores de fumaça e sirenes devem ser testados anualmente, e acionadores (botoeiras) a cada 3 meses. Os testes devem estar relatados em laudo e o sistema registrado no CREA com uma ART para a renovação de AVCB.

Entre em contato com a Help e saiba tudo sobre segurança contra incêndios. 

 

Veja também:
Saiba quais são os tipos de bombas d'água
Extintores de incêndio e sua importância
O que acontece com a descarga elétrica quando atinge um para-raio?